sexta-feira, 14 de novembro de 2008

- Embriaguez -

Giz Pastel Oleoso - Tamanho A3 - 2007
O ano de 2007 foi muito estranho pra mim, artísticamente. Primeiro porque eu já vinha pintando uma média de vários quadros por ano anteriormente (já teve ano em que eu pintei 36 telas), mas nesse bendito 2007 as coisas mudaram um pouco de figura. Não pintei uma única tela (por falta de inspiração, falta de vontade, preguiça, falta de tempo, desmotivação, etc), mas em compensação comecei a me aventurar em desenhos com o giz pastel oleoso, que apesar de alguns colegas artistas me aconselharem a não usá-lo antes de fazer algumas experiências com o giz pastel seco, acabei partindo pro oleoso mesmo. Até hoje não entendo o porquê da resistência de alguns com o pastel oleoso! Dizem que ele pega muito no papel, que mancha, etc., mas é tudo uma questão de utilizá-lo direito, ao meu ver.



O trabalho de hoje mostra uma realidade muito séria que é o alcoolismo. É muito complicado quando estudos, pesquisas, ações do governo e coisas do tipo tentam estimar o tamanho desta realidade porque o Brasil é muito grande e de culturas diversificadas, e por isso mesmo se torna muito difícil de exercer um controle mais rígido. Muitas cidades pequenas do país padecem de um mesmo mal, que é a falta de opção de lazer. O que fazer para se distrair em locais onde não há um cinema, um teatro, um lugar com música ao vivo ou qualquer outra opção que não leve ao consumo de álcool? E desta forma o costume do estar sempre "movido a álcool" vai ficando tão impregnado nas mentes que é difícil de escapar disso. Basta prestar um pouco de atenção que são inúmeros os exemplos: Tem escolas que tem um bar bem na porta de entrada; cada dia novos garotos começam suas "carreiras etílicas" mais cedo; a lei seca que não tem como ser fiscalizada em alguns lugares; as músicas que só falam de bebedeira e empolgação, entre tantos outros exemplos que posso dar. A impressão que fica é que as coisas funcionam bem quando se trata de capitais e algumas cidades mais populosas, mas fora isso a história muda de figura! Achei então que era um tema muito bom para se trabalhar.

A cena mostra um homem sentado numa mesa de bar tomando sua bebida, com ares de dor-de-cotovelo, bem no clima de tantas músicas da MPB que retratam a mesma cena (depois de pronto, eu mesmo me lembrei de "Ronda" de Paulo Vanzolini). Apesar de ser um trabalho que critica os costumes, as pessoas se mostram tão acostumadas com a cena que parecem não perceber o recado. Mas hoje em dia, a arte figurativa precisa ser quase obscena para chamar a atenção das pessoas e com muita sorte, chocá-las.

"O importante na obra de arte é o espanto!"

(Charles Baudelaire)


Licença Creative Commons
Embriaguez de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

8 comentários:

  1. Amigo Malcriado, ao ver o desenho logo me veio à cabeça a imagem clássica de Vicente Celestino cantando "O Ébrio". (rsrsrsrs)
    O tema da bebida já gerou vários clássicos musicais, quem não lembra de "eu bebo, sim, estou vivendo, tem gente que não bebe está morrendo...", ou "nós somos a turma do funil, nós é que bebemos e eles que ficam tontos...", por aí vai.
    Eu, particularmente, não bebo quase nunca, muito raramente pra comemorar alguma coisa ou outra. Sei que o vício do alcoolismo, é uma causa de tristezas para grande parte da população, é a droga legalizada, todo esse tipo de coisas, mas, ao mesmo tempo, acho que a Arte está acima disso tudo e, cá pra nós, esse clima de bom-mocismo, vigilante e policialesco do tal "politicamente correto" só piora as coisas, tem cheiro de fascismo velado; o importante é a Consciência, e nisso a Arte ajuda mais efetivamente do que propagandas com louras geladas e morenas quentes se despindo ao suor de uma garrafa e ao som de um pagodinho qualquer... Não é mesmo?
    Que os bons espantos venham!
    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Olá "amigo malcriado", como disse o Carmelo Café! Vc ficou sem pintar durante 1 ano mas não parou de trabalhar com as mãos. Às vezes fico um tempão sem fazer nada, a ponto de perguntar-me:será que ainda sei pintar?(se é que algum dia soube!)Acho bem interessante essa tua maneira de compartilhar teu trabalho de pintor e de blogueiro;digo isso pq a cada dia que passa as pessoas estão ficando cada vez mais narcisistas, individualistas,a fogueira das vaidades se expande vertiginosamente.O alcoolismo tem raízes muito profundas e está "amparado" por leis que defendem interesses multinacionais.É um problema gravíssimo e de difícil solução.Não tem arte que dê jeito.Tens algum trabalho abstrato?O espanto do qual falava Baudelaire tem a ver com a transformação, a coisa vista sob um ângulo diferente, fora do comum,tem a ver com o novo, com a criação, não é mesmo? A Arte é transformadora, ela transcende a realidade ou pelo menos é o que todo artista tenta fazer.

    ResponderExcluir
  3. Respondendo:

    Carmello: Pois é, meu amigo... grandes clássicos da música se valeram da bebida! Sobre a arte e a bebida, é muito natural (e válido) retratar essa realidade, porque faz parte do cotidiano, direta ou indiretamente. Eu, particularmente, desenho ou pinto o que eu gosto e o que eu não gosto, mesmo que tenha a crítica (muda das imagens), mas ela também retrata. Realmente é um saco essa coisa de moralismo, concordo com você.
    E sobre o vício, acho que é tudo uma questão de moderação, afinal, em exagero, até água mata.

    Cirandeira: Então... tem horas que bate essas crises e eu também chego a me perguntar se depois de tanto tempo sem fazer nada, se eu ainda vou acertar! rs
    Sobre o lance de compartilhar, eu acho que colocando aqui eu posso compartilhar o pouco que eu aprendi batendo a cabeça (além de me ajudar um pouco, é claro). Nesse mundo da arte, cansei de ver as egotrips de pessoas que se acham uma raça evolutiva dos seres humanos. Exemplos tem de sobra... infelizmente, estes não se deram conta que só ganham mesmo quando repartem.
    Sobre o Baudelaire, eu entendo que a frase dele fala também do impacto da arte nas pessoas (no caso, o tal espanto). Já vi uma vez, numa exposição que participei, pessoas chorarem ao ver uma pintura que lembrava de alguma coisa coisa que não sei o que é. É impressionante ver essa reação nas pessoas.
    Eu encaro a arte como um registro do tempo dela, mesmo que haja a imaginação mudando muita coisa (e aí ela também é transformadora). É claro que pra mim a coisa é mais complicada porque eu trabalho com cenas figurativas, quase como retratos da vida, enquanto a maioria dos artistas bem sucedidos fazem pinturas desapegando-se do realismo, caindo no abstrato. Eu tenho muito poucos abstratos, que eu devo colocar aqui depois.
    Sobre o álcool, foi o que disse acima... as pessoas quase sempre não sabem se controlar.
    É isso aí... valeu pelas palavras!
    PS: Você sabe pintar, sim!!!

    ResponderExcluir
  4. Meu artista prefido
    Fiquei sem PC, por isso estive ausente. Gostaria que fosse apreciar meu novo post e que conhecesse meu novo blog, que começo com a minha tradução, com notas explicativas, do primeiro soneto de Shakespeare.
    http://poemasscancoes.blogspot.com
    Um abraço,
    Renata
    Por motivos técnicos não pude publicar nenhuma obra sua.

    ResponderExcluir
  5. Olá meu amigo artista
    Belo trabalho com o giz pastel oleoso, o tema é perfeito.
    Ficou lindo mesmo, um artista completo é assim mesmo, apresenta algo difícil de uma maneira simples. Parabéns.
    Deixo minhas desculpas pela ausência.
    Abraços,
    Cris

    ResponderExcluir
  6. Olá.

    Que bom que você não seguiu os conselhos de seus amigos artistas e se aventurou pelo giz pastel oleoso, pois seu desenho ficou lindo!

    Infelizmente estamos perdendo a capacidade de nos espantarmos, acho que por isto muitos não sentem a vida como arte.

    Tudo está tão normal, mesmo as atitudes mais estranhas, diferentes... No caso das artes, quando de algo "fora dos padrões", ouço dizer que são esquisitices...uma pena! O novo é sempre fascinante!

    Parabéns pelo blog, te convido a degustar meus versos:
    http://degustacaoliteraria.blogspot.com

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Alcoolismo moderado é tolerável. Mas sem, o efeito é pernicioso.
    ...

    Extraordinário texto sobre a tua arte.És um grande artista!...


    (a)braços,flores,girassóis :)

    ResponderExcluir
  8. Renata: Beleza, Rê... vou dar um pulo lá!

    Cris: Não precisa se desculpar não, menina... quê isso! Você tem créditos sobrando!! hehehe

    Fernanda: Pois é... realmente é muito triste ver que as pessoas acham tudo tão normal!! Em tudo. Nem os crimes chocam mais! Vou dar um pulo lá no seu blog tb, pode deixar!!

    Lampejos: É isso mesmo, poetisa... assino embaixo!

    PS: Obrigado a todos pelas palavras!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!