segunda-feira, 24 de agosto de 2009

- No Quarto -

Giz Pastel Oleoso - tamanho A4 - 2007

Como já havia comentado aqui diversas vezes, o ano de 2007 foi muito ruim pra mim artísticamente... não pintei uma tela sequer, o que foi terrível considerando que em anos anteriores eu vinha de uma média de 30 por ano. Não sei até hoje o que aconteceu para que eu ficasse tão relapso assim, mas creio que foi pela necessidade de buscar outras maneiras de fazer minha arte, entre outras coisas como o envolvimento com outras atividades. A saída que encontrei para que, pelo menos, eu produzisse alguma coisa foi partir para trabalhos em giz pastel oleoso, que são muito mais rápidos e que foi muito bom.



A falta de remuneração com o trabalho também é um motivo considerável pra esse desânimo. É claro que não há coisa pior do que colocar preço no que a gente faz (pelo menos pra mim). Mas viver (bem) de arte no Brasil sem o famoso Q.I. (quem indica) não é tarefa simples... diria que é coisa pra pouquíssimos. Pior do que isso, é viver de arte (ou querer) morando numa cidade pequena onde as pessoas não dão tanta importância para ela (arte), se comparando com cidades mais desenvolvidas. A gente produz por teimosia mesmo! É bem desanimador, pois nos esforçamos, gastamos um tempo considerável e fazemos coisas que muitos não fariam, só que um artista também é uma pessoa qualquer que tem suas necessidades e na nossa sociedade, que vive sob o capitalismo selvagem, precisamos de dinheiro como todos os outros. Dos artistas que eu conheço, apenas uma vive exclusivamente do fruto da sua arte (de motivo mais comercial). Com isso, é bem natural que os artistas se "prostituam" pintando coisas bucólicas para decorar salas, pra combinar com aquele sofá vermelho que está na moda... e onde fica o impacto do trabalho? É claro que não é o caso dessa minha amiga, mas eu me pergunto nesses casos: E onde fica a beleza das coisas simples do dia-a-dia, a crônica visual das coisas do nosso tempo? Fotografias registram tudo isso, é claro, mas não com a mesma beleza de uma pintura. Quem entra hoje na pintura pensando em ganhar dinheiro, já começa perdendo a essência da poesia visual que é a pintura... ou alguém já viu uma "impressora humana" se emocionar enquanto faz um trabalho em série?

Mas deixando a divagação (e a reclamação) de lado, o trabalho de hoje retrata uma garota com um olhar disperso no seu quarto. É um desenho bem simples e sem grandes aspirações de mostrar nada, mas ao meu ver é bem aí que está o grande detalhe... a simplicidade dos gestos, do seu cabelo amarrado, da intimidade do seu quarto sem mobília e com pouca coisa que preenche os vazios. Tem muitas coisas, assim como estas, que a gente deixa passar pela nossa frente diariamente e nem nos damos conta disso. Como a minha praia é a arte figurativa, ter referências a disposição é sempre uma boa pedida e nada melhor do que ter uma câmera em mãos, pronta pra registrar o que quer que seja. Com isso, acaba saindo fotos pra caramba que uma vez ou outra servem como modelo pra um futuro trabalho. Hoje, já é possível encontrar celulares com câmeras de ótima resolução, o que é uma grande coisa, afinal, geralmente estaremos sempre com o aparelho por perto.

A modelo da pintura é mais um fruto da minha imaginação, como aconteceu em outros trabalhos já publicados aqui. Apesar de pouca coisa compondo a cena, achei que o trabalho ficou bem interessante, com um equilíbrio nas cores, ainda que tenha faltado alguma parte mais escura no fundo pra evidenciar ainda mais a personagem. Talvez eu ainda arrume isso.


Licença Creative Commons
No Quarto de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

10 comentários:

  1. Apesar dos pesares, Edu, o seu trabalho é sempre lindo. Há fases em que não produzimos mesmo, sei como é isso. E, infelizmente, arte não dá dinheiro. Um artista que não seja consagrado não pode viver da sua arte. Mas não deixe nunca de fazê-la, pois me encanta os olhos. E se queixe e lamente, os amigos são para isso.
    Beijos e não desanime,

    PS: Posso pedir uma coisa? Bom, já estou pedindo. O EU E DAÍ? está deslumbrante! Vá lá. Dia 25 o Blog completa 1 mês e já tem mais de 1000 visitas. Vc vai ganhar o selo.

    ResponderExcluir
  2. Olá, que blog lindo! Sou apaixonada por arte, por isso não pude deixar de comentar. É bem verdade o que dizes em relação ao trabalho dos artistas plásticos no brasil em geral,aliás, sempre foi...os artistas normalmente são conhecidos depois de anos que morreram, infelizmente...mas percebo que há uma evolução, muito gradativa é verdade, mas existe...e no que depender de mim a arte será divulgada como merece...

    Cumprimentos artisticamente positivos! :)

    certamente voltarei mais vezes por aqui...e não desanime, és um privilegiado por poder contribuir com uma das melhores parcelas do mundo!

    ResponderExcluir
  3. Edu:
    Vim fazer-lhe um convite: hoje, dia 25, o meu blog EU E DAÍ?, completa 1 mês de vida, com 1000 visitas. Gostaria que fosse apreciar o post e que pegasse o selo comemorativo, pois faço questão de que o tenha.
    Um beijo,
    Renata

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo, Edu. Desde sempre! Seja na pintura, na escultura, na literatura, na poesia...Faz parte do sistema capitalista...
    Porém, sempre tem um porém, não deves desistir, pq tens muito talento e seria um desperdício não continuares. Tô esperando por um trabalho teu feito em 2009! Vai sair ou não vai? Dou a MAIOR FORÇA!
    Ah, obrigada pelo comentário q fizeste no blog. Muito generoso, mas a maioria dos textos que estão lá, não são meus, viu?
    Bjão

    ResponderExcluir
  5. tb agradeço a visita, que bom que gostaste!

    sinta-se à vontade pra voltar sempre que quiser... :)

    saludos.

    ResponderExcluir
  6. Respondendo:

    Renata: Oi Rê! Apesar das minhas reclamações, o fato é que bem ou mal eu sempre continuo na ativa e não dou tanta importância assim para as desventuras da arte. Com certeza, ainda tem muita coisa pra publicar por aqui! Bjão!!!

    Camila: Obrigado pela visita e pelas palavras! Mesmo sendo difícil essa vida, ela vale cada segundo pelo prazer de quando criamos algo que chega a surpreender até a nós mesmos! Volte mesmo... as portas estão sempre abertas!

    Cirandeira: E aí, minha cara!!! Pode ficar tranquila que eu sou um cara muuuuito paciente e não dou tanta bola pra isso como pareceu no texto. E sobre o trabalho de 2009, eu já publiquei uns aqui... mas ainda tem mais, que em breve estarão por aqui! Bjão!

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    De novo é um prazer muito grande desfrutar da pintura junto a ti

    Espero que o amor à arte e o desejo de expressar obras como as tuas faça com que possas sobreviver aos transtornos financeiros

    E acredite sempre...que com poucos fios
    com pouca lã...
    o resultado é sempre uma manta espetacular.

    (a)braços,flores,girassóis..:-)

    ResponderExcluir
  8. Destaco o modo

    de olhar

    Parabens e sucesso

    ResponderExcluir
  9. Respondendo:

    Lampejos: Olá! Mesmo sem ganhar com a minha arte com a constância que eu gostaria, eu sigo em frente porque o dinheiro neste caso é apenas uma consequência, não um fim. Claro que é bom ganhar com isso, mas não é o motivo principal. Obrigado pelas palavras!!
    Bjão!

    Mar arável: Obrigado pela visita e volte sempre que as portas costumam ficar sempre abertas!
    Até!!!

    ResponderExcluir
  10. Pura verdade, Edu!
    Em algum momento da minha vida também fiz minhas incursões pelas Artes Plásticas, um cursinho de vitral e adquiri algumas coleções dos artistas clássicos, tudo foi me estimulando, mas não ousei o profissionalismo. Outros "chamados" me levaram a escrever e assim se deu...é a vida!
    Sempre nos redescobrindo nesse velho e admirável mundo novo para repetir Huxley.
    Seu trabalho é extremamente agradável e bem executado. O anterior, os pássaros, mexeram muito comigo. Esse aqui tem uma graça toda particular. Prossiga, meu amigo!
    Carinhoso abraço!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!