segunda-feira, 12 de setembro de 2011

- Pai -

Giz pastel oleoso - 27 x 35 cm - 2011
Para ampliar, clique na imagem

Há cerca de um ano, mais ou menos, decidi que eu iria explorar um pouco mais as possibilidades do giz pastel numa superfície diferente da tradicional, que geralmente é o papel canson pra mim. Ouvindo as pessoas, a gente descobre que tem muita gente que acha que o trabalho só pode ser feito no material apropriado. Pensar assim é o mesmo que achar que a pintura só deve ser feita em tela, por exemplo... é claro que o trabalho tende a ser desvalorizado numa eventual comercialização, mas nada impede que seja feito. A cada dia que passa, surgem diversos exemplos de obras reconhecidas que surgem feitas em materiais não-tradicionais. E pensando no que eu poderia utilizar no trabalho, uma idéia surgiu... desenhar com giz pastel em papel madeira pardo.


O papel madeira, para quem não se lembra, é aquele papel grosso vendido em papelarias para embalar caixas. Além de um pouco grosso, o papel é rugoso também, o que acaba dando um ar de tela texturizada ao trabalho. Apesar de a utilização do material parecer algo de segunda importância para mim, houve algumas críticas quanto a isso.

O tema escolhido foi o retrato do meu pai, que não sei explicar o porquê, sempre me deu muito trabalho e eu nunca conseguia um resultado satisfatório. Comecei o desenho no ano passado, explorei a luz, a expressão e deixei ele de lado, pendurado no meu ateliê. Aos poucos, eu via alguma coisa que não estava de acordo e arrumava... e assim passaram meses! Não sei se acontece isso com outros artistas, mas comigo sempre fica alguns trabalhos pela metade esperando a oportunidade (leia-se "inspiração") certa para terminá-lo. Atualmente, devo ter umas 6 pinturas nessa situação! Pois bem... passado o tempo e algumas alterações depois, há uns dias atrás decidi que já era hora de mexer pra valer nele.

Ainda que algum pequeno detalhe na fisionomia tenha escapado, o retrato ficou um pouco parecido. Escolhi uma cor de fundo que destacasse o personagem (contrastando com o tom de cor da camisa), alguns pequenos ajustes, intensificação da cor em alguns pontos e voilá... acho que agora terminou!

O meu pai (falecido em 2004) representa uma figura de importância única, que além da ligação familiar, era também um amigo, daqueles que vez por outra saia junto comigo e os meus amigos. Naturalmente, muito do que eu sou hoje eu devo a ele, que influenciou diretamente no meu conhecimento musical, no meu gosto pelas artes e foi crucial no estímulo da minha produção artística. Por uma dessas ironias do destino, ele tinha sido um desenhista frustrado que tentou o curso na Escola Panamericana de Artes em SP, em meados dos anos 70.

Voltando ao trabalho, a experiência com esse tipo de material foi muito boa e gerou outros trabalhos (que serão publicados aqui posteriormente).


Licença Creative Commons
Pai de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

5 comentários:

  1. Mesmo não conhecendo o teu pai, Edu, a expressão do olhar e os traços faciais ficaram
    muito bons. Pintar retratos não é tão fácil como muitos imaginam. E dá um trabalho...!
    PARABÉNS!

    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Muito parecido contigo Cambui!
    A expressão, o cabelo...
    Muito legal esse seu trabalho!

    ResponderExcluir
  3. Respondendo:

    Cirandeira: Pois é, minha cara... retrato realmente dá muito trabalho e não é pra todos. Para qualquer um de nós, passar um mero dia sem ver um rosto é a coisa rara que há (nem que seja o nosso próprio rosto no espelho). Então, qualquer falha minúscula que seja, notaremos sem esforço, já que somos tão familiarizados com as proporções do rosto humano. Valeu... Bjão!

    Diego: Pois é, Diego... o traço da família é forte! rs
    (PS: cadê o teu blog, rapaz?)

    ResponderExcluir
  4. Fiquei emocionada...
    Que coisa mais linda e rara, amigo!
    Pai e filho com tantas afinidades...
    Se existir um céu, ele está por lá e super feliz pelo filho que tem. Adorei!!!

    ResponderExcluir
  5. E ai meu brother

    Realmente o retrato de nosso pai, ficou bem legal, mesmo fugindo um pouco dos traços rais.
    Mas está de parabens !!!

    Abraço

    Renato Cambuí

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!