domingo, 4 de março de 2012

- Caminho da roça -

Acrílico sobre tela - 20 x 30 cm - 2009
Para ampliar, clique na imagem

De vez em quando em Macaúbas, o povo se lembra que eu existo e surge algum convite para falar de arte e pintura em escolas e em eventos que tratem sobre o assunto. Apesar de eu não ser formado em artes, graças a minha biblioteca particular sobre pintura e principalmente, à minha curiosidade em saber sobre o tema, não me sinto intimidado a falar sobre isto publicamente e acho que me saio bem, afinal, senão fosse por isto, não apareceriam mais convites. Nestes eventos, vez por outra me pedem para fazer algo rápido e eu faço qualquer coisa que me ocorra naquele momento. Naturalmente, acabo sorteando para algum dos presentes a pintura que eles viram "sair do forno", o que também acontecia quando eu dava aulas de pintura na cidade. Como consequência óbvia, infelizmente não tenho tempo de registrar (fotografar) o trabalho que, depois de algum tempo, acaba caindo no limbo da minha memória. Acredito que nestas circunstâncias, devem haver por volta de 60 telas que foram sorteadas e que devem estar penduradas em algum lugar (imagino).


O fatídico dia desta pintura
A tela deste post foi feita especialmente para minha namorada, mais ou menos nos moldes do que eu costumo fazer nestes eventos. Como ela sempre dizia que gostava de me ver pintando, um belo dia a chamei para me acompanhar numa pintura ao ar livre, mesmo não sendo um adepto desta prática (costumo dizer que não há nada melhor do que o conforto do seu próprio ateliê para isto). Enquanto conversávamos, a imagem foi saindo naturalmente e o resultado acabou sendo este. Com o resultado final agradando, a presenteei com esta tela que ela viu todo o seu processo, desde o início até a conclusão (e a ideia original era esta mesmo). Depois disso, toda agradecida pelo presente, ela guardou e eu não vi mais a pintura, tanto que acabei me esquecendo completamente dela, até que poucos dias atrás, fui surpreendido ao dar de cara com a tela novamente.

Apesar de parecer uma enorme contradição, principalmente levando em conta sobre o fato de muitas pessoas terem ganhado uma tela minha nas condições que contei, não é algo muito comum eu presentear as pessoas com telas minhas. Na verdade, é uma cena bem rara... só mesmo pessoas muito próximas tem uma tela presenteada por mim e mesmo assim, não são todas. Confesso que é até algo que estou reconsiderando.

A cena que foi inventada para esta pintura na verdade é algo muito comum de se observar nas cidades do interior da Bahia, assim como imagino que deve acontecer em alguns outros lugares do país. Em meio a uma natureza verdejante, vai uma estradinha vicinal que liga à zona rural, recortando o relevo do lugar enquanto ao fundo se observa montanhas azuladas, de tão distantes que elas estão. O mestre Leonardo Da Vinci já comentava sobre isto quando dizia que as montanhas mais distantes no horizonte são as mais azuladas. Uma das melhores alternativas que encontro sobre dicas valiosas de pintura eu costumo achar em livros sobre a biografia de artistas. Sempre aprendemos alguma coisa, seja com a vida do artista ou com o seu processo de pintura, como é o caso de Da Vinci, que deixou muito boas dicas para a posteridade.

Ainda sobre a composição da cena, já comentei diversas vezes aqui no "Arte por Parte" que ajuda muito para o artista estar sempre de olhos bem abertos para o mundo que o cerca e, se possível, ter um bom repertório de referências de imagens, que no meu caso é através das fotos que eu mesmo tiro. Acho que o costume de observar tudo isto facilitou muito na hora de criar esta imagem para a pintura. As cores usadas na pintura, apesar de poucas, tem um papel importante na profundidade da cena. O fundo claro que ilumina o lado oculto da estrada é evidenciado pela escuridão das sombras das árvores na vegetação abaixo delas, sem contar que a direção da estrada conduz o olhar até a parte mais clara.

Enfim, a tela agradou tanto a quem ganhou como a quem fez. Muito provavelmente, da próxima vez vou presenteá-la com uma pintura maior!


Licença Creative Commons

7 comentários:

  1. Muito interessante esse relato, Edu. O artista tem mesmo que estar atento a tudo, mas o talento de quem faz jamais será imitado.
    Talento, na verdade, nunca lhe faltará.
    Adorei as imagens!Beijos...

    ResponderExcluir
  2. ...O Edu como ele só! Caminho de cores fortes...

    Beijinho, apareça sempre! E veja se arranja sementes, para me enviar por correio!!!

    BIA

    ResponderExcluir
  3. pode mandar mensagem para o mail: mariarodrigues0@gmail.com

    BIA

    ResponderExcluir
  4. Que lindo... Um artista romantico!!! É isso aí colega, lindo trabalho!!

    ResponderExcluir
  5. Primoo, parabéns, hoje é seu aniversário, mts anos de vida, muita saúde, paz, e sucesso.
    Guarde meu lugar ae no São João, todo mundo ta mandando beijo aqui.
    Até mais !

    ResponderExcluir
  6. Essa foto do fatídico dia da pintura é uma amostra da "angústia" de preencher a tela em branco, já passei um pouco por isso. Dói, mas faz bem a alma.
    Tô vendo aqui uma prima sua (Laís), falando no seu aniversário.
    Parabéns, Edu! Parabéns por essa vida criativa que você soube e está sabendo desempenhar com grandeza e dignidade.
    Tenho orgulho e sinto-me muito honrada em ser tua amiga por esses anos de convívio bonito e fraternal.
    Deus te abençoe...
    Beijos e ternuras...

    ResponderExcluir
  7. Eu não sei pintar mas como sou muito teimoso... insisto.
    :)

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!