sexta-feira, 24 de outubro de 2008

- Depois do Banho -

Óleo sobre tela - 20 x 30 cm - 2006
Esta é mais uma das telas que compõe a série que comentei no post anterior (À Meia Luz). Nesta pintura fica mais clara a influência do trabalho de Edgard Degas sobre o meu, inclusive pelo título. É claro que eu ainda tenho que suar muito a camisa pra chegar perto do trabalho e da importância dele (provavelmente eu nem consiga). Bom, mas pra quem não conhece muito bem o trabalho do mestre Degas (que inclusive, ilustra diariamente o blog na parte "Arte do dia" do lado direito da página), ele foi um escultor, gravurista e pintor impressionista muito conhecido por seus quadros de bailarinas e por mostrar com muita propriedade a delicadeza e o dia-a-dia da mulher.



Degas revolucionou a pintura tradicional de sua época e algumas de suas obras criticavam o meio de vida incomodando a burguesia e com isso, ele foi muito questionado, mas deu a volta por cima e se consolidou como um grande mestre da história da pintura. No fim da vida, Degas acabou sofrendo de uma doença oftalmológica chamada "degeneração macular" que mudou o seu estilo de pintura, fazendo com que ele pintasse de forma mais rude, utilizando mais o giz pastel. A tal doença fez com que os contrastes ficassem menos perceptíveis.

Esta pintura é simples, sem muito segredo e partindo para o mesmo artifício de retratar uma cena comum, que acontece milhares de vezes por aí afora. Explorando o ritual feminino do pós-banho, o foco da pintura mostra a mulher que ao sair do banho se cobre parcialmente com a toalha, insinuando suas curvas e enchendo a imagem de sensualidade, com a força da sutileza das mulheres. Com isso, me lembrei de um comentário feito por um dos nossos ilustres amigos de blog, o Carlos Rocha do Colorabilis, que citava o fato de que sempre há a influência (ou mais ou menos isso). Assim como o trabalho de Ingres influenciou o de Degas, sempre há alguém pra influenciar outra pessoa, não há como escapar desse círculo.


Licença Creative Commons
Depois do Banho de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

5 comentários:

  1. Meu amigo:
    Peguei este teu trabalho para pôr na minha nova postagem.
    Passe no meu Blog, no Galeria e não no Resenhas Antigas, pois fiz a resenha do filme "Uma relação pornográfica", que de pornográfico não tem nada. É um filme de amor. Não há nenhuma cena de pornografia.
    Um beijo,
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Malcriado, se a intenção da arte é provocar o espectador, então fiu, fiu.

    abraços
    belo tecido, com suas nuances em "degrade"

    ResponderExcluir
  3. Lindo trabalho, esta fantástico
    Peço desculpas pela ausência me envolvi com alguns projetos que me ocupam. Mas voltarei pra apreciar-te o belo trabalho
    Abraços,
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa, muito expressiva a obra! Posso usá-la no meu blog? Com os devidos créditos, é claro.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Geandria!

    Vai fundo... pode pegar, sim! Depois passo por lá! Até!

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!