terça-feira, 30 de junho de 2009

- Paz do Campo -

Mural da Praça Cândida Defensor Pereira
Tinta acrílica - 3 x 30 mts - 2009

Como é do conhecimento de todos, em grande parte das cidades do interior do nordeste o mês de junho é a principal data do calendário, embalados pelas festas juninas. Em Macaúbas, as pessoas foram acostumadas desde pequenas a esperar com ansiedade pelo São João e então curtir os vários dias de festa... e dá-lhe festa! De uns anos pra cá, a prefeitura de Macaúbas tem se empenhado em fazer da data uma atração maior na região.
É claro que não dá para competir com as grandes festas juninas de cidades que já se tornaram famosas por isso como acontece com Campina Grande (PB), Caruaru (PE), Amargosa (BA), Juazeiro do Norte (CE), entre outras, já que temos que considerar o tamanho da cidade, mas sem dúvidas o movimento torna-se muito maior. A prefeitura faz convênios com empresas para contratar bandas famosas para se apresentarem na data, as escolas participam de concursos de quadrilhas juninas, os cordões de São João são criados, os blocos saem nas ruas (no estilo do carnaval de Salvador, com trio elétrico e tudo), a cidade se enche de turistas, os nativos que foram morar fora voltam para visitar, enfim... é uma loucura!

E como político não é besta, quando se aproxima o mês de junho muitas obras são entregues pela administração municipal. E neste ano, não foi diferente. Fui procurado pela equipe da prefeitura para fazer um mural numa praça que seria inaugurada próximo ao cemitério da cidade, o que me causou certa estranheza a princípio, afinal, não parece haver muita proximidade entre uma praça e um cemitério (ainda mais se levar a questão ambiental em conta). O grande mal destes trabalhos é que quase sempre eles aparecem para ser realizados num prazo muito curto (tenho que esperar acabar a parte de construção para fazer) e aí é onde eu acabo me dando mal, tendo que correr para entregar em tempo. Mas sempre deu certo (pelo menos, até agora)!

Primeiro fiz um esboço para o pessoal responsável pela obra (que serve mais para dar uma idéia de como será, porque no fim das contas, nunca é seguido fielmente), que tive que adaptar ao fazer o trabalho por causa do tamanho do mural. Depois levei uma tarde para riscar o desenho... é a parte mais difícil do trabalho, ao contrário do que alguns pensam.

O desenho é bem simples, não é nada magnifíco, não é moderno e nem é um trabalho minucioso com ares renascentistas, mas deu trabalho mesmo assim! Feito em 3 dias e meio, o resultado vale muito mais pelo efeito que causa nas pessoas que moram próximas ao local, geralmente pessoas simples. A idéia demorou um pouquinho mais que de costume por conta do aspecto do lugar... e fazer o que numa praça vizinha a um cemitério com um prazo tão curto de entrega? Surgiu então a idéia de fazer uma cena de campo, transmitindo um ambiente tranquilo, com muita perspectiva e assim, criar uma identidade com o lado rural das pessoas daquela área, que na sua maioria tem sua origem no campo. Até tive pretensões de fazer algo como alguns anjos que só seriam percebidos com alguma atenção dos espectadores, como fiz na pintura "Ascensão de Cristo", mas o prazo ficou tão apertado (e eu fiquei tão cansado) que acabei desistindo da idéia.

Com o tamanho do mural, tive que usar da composição do trabalho como ferramenta para que as imagens preenchessem com uniformidade e equilíbrio, evitando a sensação de vazio. A estradinha da parte esquerda do mural conduz diagonalmente o olhar para a direita e o centro do mural, no centro tem um pequeno lago e na parte direita do mural, um caminho faz o trabalho inverso da estradinha da esquerda, conduzindo também o olhar para o centro. Por conta da data, decidi fazer todo o trabalho sozinho, mas tive que pedir a ajuda de dois ex-alunos de pintura meus para pintar algumas partes de cores chapadas, o que me poupou algum tempo, além da minha namorada que também me ajudou bastante pintando algumas coisas e me fazendo companhia.

É claro que fica uma pontinha de frustração por não ter tido tempo suficiente para fazer algo muito mais trabalhado e mais agradável visualmente. Mas tirando as dores nas costas e o cansaço de passar 3 dias pintando sem parar em posições muitas vezes incômodas, o saldo acabou sendo muito positivo considerando os elogios entusiasmados e a alegria das pessoas que moram alí por perto, sem contar o fato de estar levando a arte ao povo.



Nota:
Nem todas as fotos estão boas, mas acredito que dá pra ter uma idéia de como ficou o trabalho.


Licença Creative Commons
Paz do Campo de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

9 comentários:

  1. Mais uma obra-prima!
    Com certeza, a próxima edição do Galeria contará com ela. Mas não sei quando será, porque não tenho mais tempo para nada. Hj, excepcionalmente, me deram dispensa porque me caiu um dente e eu não ia andar banguela por aí.
    Mas todo dia, são 12 horas de trabalho. Eu aprendi (porque me confesso ignorante nesse assunto) a programar a hora e o dia da publicação do post, então é assim que faço. Depois, tem aquele monte de comentários a moderar.
    Então, você gostou do selo comemorativo da 45 000 visitas ao Galeria. Foi o Tossan quem fez para mim. Ele também fez o logo do meu perfil, um homem desenhando a famosa foto que vc ia retratar... Mas não conbro nada, pois sei o que é falta de tempo. Ah, mandei-lhe um e-mail, contando as novidades.
    Essa obra de arte vai para o meu Galeria, ok?
    Beijos,
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Edu! Que trabalho e que trabalheira, né? Mas valeu a pena. Agora que passaram as festa juninas, quem sabe vens mais vezes por aqui...
    Ainda bem que contaste com ajudas.Posso imaginar o quanto deve ter sido cansativo. Deu pra ganhar algum "dindin"? Mereces!
    Bj

    ResponderExcluir
  3. Edu, meu amigo!
    Macaúbas tem que se orgulhar mesmo de você!
    Um mural belíssimo e agora, vamos botar o povão aí pra se alegrar, rsss.
    Parabéns!!!Bjs
    Obs.: um homenagem também para a namorada, tudo fica melhor quando se está bem acompanhado, certo?

    ResponderExcluir
  4. Belíssimos trabalhos. Bravo! Não são precisos mais comentários. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Edu, esta sua linda obra já está publica na nova edição do Galeria. Apareça, pois está ótima.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  6. Edu, meu amigo:
    Acabo de publicar uma homenagem a vc e à sua obra no meu Blog TUDO:
    http://blogrenatatudo.blogspot.com
    Vc ainda não foi ver O MELHOR POST MEU NA GALERIA!
    E agora tenho 14 Blogs. Um deles, eu acho que o agradaria. É o SÉTIMA ARTE, onde faço mini-resenhas de filmes. Já publiquei JUVENTUDE TRANSVIADA e A CARTA, de Manoel de Oliveira.
    Corre, vá ver a sua homenagem (eu a fiz com chefe me enchendo o saco!) e não se esqueça de ir ao GALERIA e, se quiser, ao SÉTIMA ARTE:
    http://blogrenatasetimaarte.blogspot.com
    Um beijo,
    Renata

    ResponderExcluir
  7. Respondendo:

    Renata: Pois então... não sei se posso dizer que é uma obra prima, mas com certeza é um dos maiores que já fiz. Valeu!!!

    Giramundo: E aí, minha cara!! Foi uma trabalheira mesmo e o desgaste foi muito, mas graças a Deus deu tudo certo e todos saíram satisfeitos. Vou passar por lá, sim... Bjão!

    Vanuza: Olááá! Coisas como estas fazem as pessoas se tocarem que a arte não é apenas um mero artifício pra decorar espaços... é a interação entre o trabalho e o espectador, que pode ter diferentes percepções, inclusive encontrando coisas que até mesmo o autor não se deu conta. Quanto a namorada, ela foi incrível (pela companhia, paciência e até pela ajuda) e com certeza, é uma homenagem!!! rs
    Bjão!

    Poematar: Olá, meu caro!!! O desenho é simples, mas no meu modesto entendimento, é justamente isso que agradou as pessoas. Até mais!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Edu:
    Hoje eu lhe enviei os meus selos, que são de Blogs de cinema. Não é para deixar numa caixa, e sim para afixá-los, nem que seja no Arte de Quem, viu? Eu venho aqui conferir...
    oLha, publiquei no GALERIA acerca de um filme sobre relações amorosas, não dissociadas de sexo, é óbvio, pois não é possível que haja pessoas que consigam separar amor de sexo.
    Vá lá e me deixe a sua opinião.
    Desta vez, não pus nenhuma obra sua, porque já esgotou o cardápio.
    Beijos,

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!