terça-feira, 15 de dezembro de 2009

- Sombra da Natureza Morta -

Grafite e Lápis de Cor preto - Tamanho A4 - 2006
Para ampliar, clique na imagem
Tem certos períodos (pelo menos comigo acontece assim), em que bate um desânimo para trabalhar com determinados tipos de materiais, que eu ainda não sei explicar direito o porquê. Talvez por enjôo, preguiça, tédio, vontade de explorar outros materiais... quem sabe? Nestas fases parece que usar tinta a óleo, tinta acrílica ou giz pastel, entre outros, não tem o mesmo gosto que tinha sempre e portanto, a melhor forma que encontrei para driblar estas fases passageiras é alternar o uso dos materiais e desde então tem funcionado bem. Este desenho de hoje é um caso.


Com uma clara crítica ao desequilíbrio ambiental atual sofrido graças ao nosso modo de vida moderno e um tanto inconsequente, o desenho dá muito bem o seu recado, com uma árvore completamente sem folhas que ganha a expressão de quem clama por ajuda, quase com um rosto deformado pela dor. A idéia surgiu como uma brincadeira com o termo "natureza morta" (que numa outra oportunidade, eu já tinha pintado uma tela sobre o tema) e depois de fazê-la, acidentalmente, me lembrou bastante alguns desenhos antigos que brincavam com a forma das árvores de um pântano, nos contos de florestas mal-assombradas.

A idéia deste desenho já era antiga na época e acabou saindo melhor do que as expectativas, graças ao efeito de grandeza da árvore por causa dos galhos mais finos e do cenário árido. Nesta época foram feitos alguns desenhos do tipo que foram pensados primeiramente para ilustrar um livro de poesias, pensamentos, etc., que eu pretendia escrever na época e que teria a mistura de textos e ilustrações, mas depois de refletir melhor, achei que ainda não era hora... talvez mais tarde, quando a idéia amadurecer mais e eu perceber que vale a pena.


Licença Creative Commons
Sombra da Natureza Morta de Eduardo Cambuí Junior é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported.

11 comentários:

  1. Olá, obrigada pela visita e pelo comentário. Fico contente por estar acrescentando alguma coisa para as pessoas,sinto uma "pontinha" de gratificação!
    Essa tua árvore está realmente muito bonita. Faz-me lembrar a seca nossa de cada dia e o outono no hemisfério norte, e até um cenário de filme, daqueles com castelos mal assombrados, como disseste. Como "desconfio" que deves ter um calhamaço de escritos escondidos em teu baú literário(rrss), ouso dizer que esse desenho pode muito bem servir de ilustração para algum deles...Por quê não? Quando teremos o prazer?
    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Olá, Edú!
    Lindo!
    Sua Arte * conseqüente * + o seu *Bom-Humor* (idéia surgiu como uma brincadeira com o termo "natureza morta":))) * ainda que desanimado* a sua Bela Árvore "dá muito bem o seu recado" mesmo.
    Obrigada, por presentes Seres Estares sempre.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Edu, quer dizer entãoue brevemente veremos uma tela com "natureza viva"? Pois é, as cebolas nos fazem "chorar sem nos afligir", como disse Neruda em sua poesia...
    Quanto à tua árvore, nos dá uma sensação de deserto, de abandono, de seca, ou quem sabe, de renascimento! No outono as folhas caem, para na estação seguinte florescerem. Já tive a oportunidade de pintar uma árvore assim, a lápis também. Gostei muito. Acho que ficaria muito bem como ilustração de teu livro de poemas, dependendo do conteúdo deles, é claro. Às vezes, me dás a impressão de que é um pouco perfeccionista.Estarei enganada?
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Respondendo:

    Giramundo: Olá!! Realmente é muito legal a gente perceber que estamos fazendo nossa parte passando adiante o que sabemos (e melhor ainda quando somos reconhecidos por isto!). Sobre o "livro" que eu mencionei, tem algumas boas páginas sim e a idéia era de que cada texto se comunicasse de alguma forma com uma ilustração na página do lado (ou até mesmo, na mesma página do texto) e este desenho não foi feito para isto (inclusive, o nome do livro é "isto"... rs), mas depois a idéia de colocá-lo junto surgiu mesmo. Talvez um dia, alguns destes apareçam por aqui. Valeu!!!

    Renata: Obrigado! E sobre o bom humor, acho que é muito importante tê-lo em nossa vida sempre, afinal, sem ele, onde iríamos parar!? Bjão!

    Cirandeira: Pois é!! O grande problema que eu tenho enfrentado desde que inaugurei este blog é conseguir as fotos das obras que não estão mais comigo... e são algumas. Mas sempre que tenho chance, tiro fotos das que eu encontro! Sobre a árvore do desenho, eu acho que ela mostra bem a sensação de agonia, de seca mesmo. Se bem que desde que me mudei pra cá, acho interessantíssimo observar que a vegetação que parece morta e seca se renova em questão de duas semanas com a primeira chuva que cai. Sobre ser perfeccionista, quando se trata de arte, eu acabo sendo mesmo! Bjão!

    ResponderExcluir
  5. Fez-me lembrar mesmo a "Floresta Negra" dos contos de Grimm. Que contos! Viu o filme? Gostei, mas há um antigo bem melhor. Você é craque, nem tenho como comentar. Só sei dizer: adorei!!!Bjsss

    ResponderExcluir
  6. É uma maravilha ler as suas notas sobre os seus trabalhos. Eos trabalhos também. Sim, de facto, o tempo não gera consensos; é terrível - até para a própria pessoa - é complexo, trata-se de gerir sonhos, ambições, desejos, confrontos com a realidade, definição de prioridades... O Tempo, ai o tempo...

    ResponderExcluir
  7. Olá Edu,
    Belo trabalho , lindo mesmo.
    Venho tb lhe desejar Feliz Natal e Boas Festas.

    Abraços,
    Cris

    ResponderExcluir
  8. Olá Edu, tô passaando por aqui para desejar-te muitas árvores frondosas, coloridas e cheias de
    bons frutos neste Natal e no PRÓXIMO ANO QUE ESTÁ CHEGANDO. Mesmo que sejam apenas convenções,
    não custa nada sonhar...
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. À você que me lê com o coração,


    Suspiro pelo ano que se encerra e nos permite tempo de pausa para reflexão.
    Durante um tempo longo fui sentindo,sentindo... as vibrações que circulavam ,claras e obscuras,
    rápidas demais,fortes e frágeis,distintas e misteriosas,espertas e inocentes,confiantes e assustadoras,enfim
    carreguei por todos os lugares um texto ,um amarrado de palavras que a cada noite se desvanecia,depois se encorpava,até que finalmente em uma tarde
    se fez nascer ..."ANTES de TUDO".Senti alívio e o contemplei prosa a se dizer poema com olhos amorosos de mãe quando vê seu filhinho pela primeira vez.
    Agora este texto é seu,meu presente de Natal,leia sem pressa,o examine lentamente,deixe-se ser tocada por êle.
    Envolva-se com a sinceridade transparente com que o escrevi, com a delicadeza,com o tom suave e meditativo.
    Compreenda o amor e a dor do texto,o luto e o nascimento ,a coragem a clamar por bravura,a solenidade,o consolo,a humanidade em nós semelhantes.
    "Antes de Tudo"...postei no www.cristinasiqueira.blogspot.com

    Feliz Natal

    Cris


    Arvores mágicas a clamar por oxigênio!Em Cima !

    ResponderExcluir
  10. Oi Edu, Natal chegando, encerramento de calendário, mesmo "chovendo no molhado" quero
    desejar-te uma boa colheita dos frutos que semeaste no decorrer deste 2009. Que 2010 te seja abundante em criatividade e RENOVAÇÃO!
    Um grande abraço de confraternização e obrigada
    por tuas visitas e palavras de incentivo...!

    ResponderExcluir
  11. Querido
    Primeiro peço-lhe desculpas pela ausência de tempos, porém, estive com problemas de saude em família, agora estou aos poucos retornando.
    Peço-lhe que se quiser veja meu mais novo filhote o livro do Raposo, O Idoso Odioso que acaba de sair.
    Se quiser dar uma olhadinha acesse o site abaixo, ou entre em contato comigo.
    Estarei providenciando uma noite de autógrafos logo depois das festas de fim de ano, conto com a sua presença lá.
    Beijos
    Fabiana Guaranho
    www.biblioteca24x7.com.br
    CaCaSeCaCaReCoS http://fabiguaranho.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!