sexta-feira, 14 de março de 2014

- Indicação de Filme - O Mestre da Vida -

---------------------------------------------------------
Filme: O Mestre da Vida (Local Color)
Ano: 2006
Origem: Estados Unidos
Direção: George Gallo
Com: Armin Mueller-Stahl, Trevor Morgan,
         Ron Perlman e Ray Lliota
Distribuição: Flashstar
Site: http://www.localcolormovie.com/
---------------------------------------------------------


Sinopse: John Talia (Trevor Morgan) é um talentoso e problemático estudante de artes de 18 anos que quer se tornar um grande artista. Ao conhecer Nicoli Seroff (Armin Mueller-Stahl), um genial pintor, ele insiste para que o velho mestre o ensine a pintar. Mas Seroff não só desistiu da arte, mas também da vida e quer ficar em paz. No entanto, Seroff convida John para passar uma temporada em sua casa da Pensilvânia. Juntos, eles dão um ao outro um precioso presente: o estudante aprende a ver o mundo através dos olhos do talentoso mestre e o mestre aprende a ver a vida através dos olhos da inocência novamente.
------------------------------------------------------------------------------------------------------

A indicação de hoje é sobre um filme muito bom, especialmente para quem gosta de pinturas figurativas e que eu já tinha sido citado brevemente num post antigo. "O Mestre da Vida" é um filme baseado em fatos reais, mais especificamente na experiência vivida pelo próprio roteirista/diretor George Gallo quando ele, aos 18 anos, foi aprendiz de um grande pintor russo. O personagem Nicoli Seroff na verdade foi baseado em George Cherepov, de quem o diretor foi aprendiz nos anos 70.



Ao mesmo tempo em que o filme contrasta entre o entusiasmo do jovem pintor iniciante, John Talia, com a arte e a desilusão do grande pintor, Nicoli Seroff, com a vida e com o meio artístico, o filme também fornece boas dicas para pintura. Mas o grande enfoque do filme é mesmo a troca de experiências e seus aprendizados, o amor (seja por seus sonhos ou pelas pessoas) e, de uma forma muito sutil, dos estereótipos que povoam o senso comum.

John, por estar distante do padrão do jovem adolescente americano, por preferir a arte às práticas esportivas com os colegas, seu pai (um homem rude e preconceituoso) não vê com bons olhos a paixão de seu filho pela pintura, temendo ser este um traço de homossexualismo. Quando John leva uma de suas telas para emoldurar, descobre que um grande pintor russo mora perto de sua casa e a partir de então, decide procurar o artista para conhecê-lo e se oferecer como aprendiz.

Quando encontra com Seroff, ao invés de ver a pessoa romântica e idealizada de um grande artista, ele encontra um velho rabugento e desiludido com a vida e com a arte, levando sua rotina regada a muita vodca. Depois de muita insistência, o mestre aceita a proposta de ensiná-lo e o convida para uma curta temporada em sua casa de campo na Pensilvânia. Mesmo sem o consentimento de seu pai, John aceita a proposta e viaja com Seroff, que acaba se tornando uma experiência enriquecedora para ambos.

As grandes dicas de pintura que o filme nos passa é muito mais sobre estar atento aos detalhes do que nos cerca e que retratamos na pintura do que propriamente nas técnicas. O filme tem uma belíssima fotografia e muitas falas bem construídas. Para quem tem interesse em arte e pintura, este filme é uma bela opção. O único problema é que, de uns tempos pra cá, não é um filme muito simples de encontrar (sobretudo caso queiram comprar o DVD ou Bluray). Confiram abaixo o trailer!


Curiosidades:

A grande curiosidade sobre este filme é que as pinturas que o personagem principal, John, mostra a Seroff no começo do filme esperando por seus conselhos são na verdade as mesmas pinturas que o diretor mostrou quando adolescente a George Cherepov. Gallo também pintou todas as telas em óleo que aparecem no filme. Outro fato curioso sobre o longa metragem é que ele foi filmado em várias locações na Louisiana e nos arredores de Nova Orleans (embora a história se passe entre Nova Iorque e Pensilvânia), e graças a organização da equipe, que montou um esquema para perder menos tempo possível, conseguiram terminar a produção poucos dias antes da passagem catastrófica do furacão Katrina por Nova Orleans.

Sobre o pintor George Cherepov, que serviu como base para a criação do personagem Nicoli Seroff deste filme, ele nasceu na Lituânia em 1909 e estudou pintura na Letônia e Croácia. Pintava sobretudo paisagens e natureza morta. Expôs em muitas galerias e museus da Europa Central. Em 1952, emigrou para os Estados Unidos, onde também fez algumas exposições e ministrou cursos de pintura a óleo, além de publicar livros com técnicas de pintura. Faleceu em 1987, na Pensilvânia.

Veja abaixo algumas pinturas de Cherepov:






Fonte: Wikipedia
Imagens: Google

5 comentários:

  1. excelente postagem, meu malcriado amigo...
    mais tarde, na madrugada, assistirei ao filme... valeu !!!
    beijos no coração...

    ResponderExcluir
  2. Excelente postagem, Edu, fiquei curiosa pra ver o filme. Vou procurar por aqui.

    Beijos

    P.S.: Gostaria de saber qual é o título do livro que falaste sobre Arthemisia Gentileschi, fiquei curiosíssima!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!! Na verdade é um filme! Chama-se Artemísia (França, 1997), que conta um pouco da vida de Artemísia Gentileschi e seu relacionamento com o pintor Agostino Tassi, acusado de violentá-la.

      Um bom filme e que provavelmente eu ainda faça um post de indicação sobre ele por aqui.

      Valeu!

      Excluir
  3. qual a relação do filme com a filosofia estética?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Poliana! Antes de qualquer coisa, obrigado pelo comentário. Este filme aborda de uma forma muito boa a polêmica questão entre as belas artes e a arte conceitual contemporânea. Tanto os personagens do artista aprendiz como o seu mestre (Seroff, o grande artista russo) são artistas figurativos que valorizam todo o cuidado na produção das chamadas "belas artes", porém, Seroff já se encontra desiludido com o mundo artístico por perceber que seu estilo de arte já não tem a mesma atenção do público, que está muito mais interessado pela arte contemporânea, onde a ideia pode valer tanto ou até mais que a capacidade técnica do artista. Simplificando bastante, a grande discussão da estética é debater o que é belo e o que é feio, que são perguntas muito subjetivas e difíceis de definir, sobretudo quando se trata de arte. Na história da arte é bem fácil observar alguma produção que num determinado tempo era considerada feia e de mau gosto, mas que algum tempo depois este conceito poderia mudar completamente, como já aconteceu com obras de Anita Malfatti, Turner e Munch, apenas para citar alguns poucos exemplos de obras de artistas que foram extremamente criticadas quando foram apresentadas pela primeira vez em seu tempo e que hoje são consideradas importantíssimas obras de arte. Ou seja, dependem muito do tempo, da cultura e de como elas são percebidas pelos outros. Mesmo atualmente, não é nada difícil encontrar alguém que visita um museu ou uma mostra e que considera uma determinada obra como horrível. Enfim, são questões muito densas e que o filme aborda de uma forma muito interessante, a partir do ponto de vista dos artistas que ainda produzem a arte através dos métodos antigos, valorizando a arte como uma imitação da natureza, ou mesmo como uma criação, onde o artista busca evidenciar sentimentos em sua obra. É isso! Espero ter respondido sua pergunta.

      Excluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!