quarta-feira, 27 de abril de 2016

- Tomando o Poder -

Lápis de cor - 13,5 x 21,3 cm - 2016
Clique na imagem para ampliá-la
Como já diz a sabedoria popular, quando se trata de religião, política e futebol, ninguém tem razão. Procuro deixar estes temas de um pouco de lado justamente por saber que envolvem paixões e nestes casos, as opiniões dificilmente são imparciais, dependendo de cada pessoa, naturalmente. A questão é que o Brasil vive atualmente um sério problema político que lamentavelmente tem feito com que o ânimo de muitos cidadãos pelo país se contaminem pelo discurso raso, preconceituoso e estereotipado. Mas depois de ver o circo de horrores que aconteceu no Congresso Nacional em Brasília no dia 17 de abril, não me contive e criei esta imagem numa tentativa de ilustrar o que acontece no país hoje.


O processo artístico

O Brasil, que não é um país muito politizado (afinal, não dá pra esperar um grau elevado de politização de uma nação que não é tradicionalmente leitora por formação), de repente acorda com hordas de moralistas descontrolados de plantão que se mobilizam para perseguir a qualquer custo aqueles que não rezam (ou parecem não rezar) da mesma cartilha. E isto é fácil provar: procurem nos comentários das notícias políticas dos grandes jornais online algum bom senso constante. São situações absurdas que tem surgido... nas redes sociais, tem mobilização para hostilizar celebridades que são conhecidas pela sua posição pró-governo. Tem situações em que chega ao cúmulo de oferecer recompensa para quem hostilizar algumas destas figuras, desde que gravem em vídeo. Acredito que o contrário também aconteça, mas até então não tenho tido notícias destas ocorrências. É bem verdade que o governo da presidente tem feito muitas besteiras, o partido da presidente tem diversos membros envolvidos em corrupção, mas é um tanto óbvio ver que do outro lado da esfera a coisa não é tão diferente assim. O governo do Brasil está agora caindo no colo dos lobos de plantão, ou melhor, dos verdadeiros ratos.

O dia da votação do impeachment na Câmara dos deputados foi o grande mote para a criação desta imagem. Ver uma sessão em que o próprio presidente da Câmara dos Deputados tem diversas acusações de corrupção é perigosamente conflitante, sem contar os inúmeros membros que respondem por crimes e que lá estavam votando a favor do impeachment e berrando em rede nacional os absurdos que bem entendiam. Até quem foi citado como um exemplo de boa gestão (por uma deputada mineira), ironicamente foi preso no dia seguinte sob acusação de corrupção.  

Deputada mineira que pediu fim da corrupção vê o marido preso pela Polícia Federal no dia seguinte

Me lembrei muitas vezes da famosa frase de Pablo Picasso que dizia que a arte não é para ser uma simples decoração de ambiente e comecei a pensar como eu poderia tratar do que está acontecendo com uma simples imagem (que é o grande dilema dos artistas visuais que produzem cenas estáticas), que mostrasse o paradoxo que é uma mobilização para tirar do poder uma presidente que até então não tem comprovações de corrupção para deixar o poder à mercê daqueles que conhecidamente tem diversas acusações de corrupção. Me parece o cúmulo do óbvio concluir que, se é para combater a corrupção, que combata a todos sem distinção.

Referências

Com o clima tenso pairando no país, que na verdade, está se parecendo muito mais como uma briga generalizada de torcidas de futebol (principalmente nas capitais), não demorou muito para que eu me lembrasse da emblemática e histórica fotografia dos soldados norte-americanos na segunda guerra mundial levantando a bandeira em Iwo Jima (tirada por Joe Rosenthal) e a partir dela, fazer a minha própria versão.
"Raising the Flag on Iwo Jima" por Joe Rosenthal
Apesar da beleza visual do cenário de fundo (que retrata o lado oposto do Congresso Nacional em Brasília) o contexto da imagem não é muito bonito. Propositalmente dei margens para considerar que os ratos podem estar levantando a bandeira (como se estivessem tomando o poder), ou derrubando a bandeira (como se o intuito fosse anarquizar de vez), enfim, há muitas formas diferentes de ler a imagem.

A Obra

Apesar de se tratar apenas de um desenho, acho que é sempre importante falar do que acontece na atualidade através do próprio trabalho artístico, assim como diversos artistas também acreditam, sejam eles clássicos ou contemporâneos. Naturalmente, não espero que este desenho vá mudar a opinião de ninguém e nunca foi este o intuito... acho que se trata apenas de uma versão da história, cheia de simbologias. De fato, é triste perceber que há tantos interesses ocultos nesta crise que já foi mais ou menos anunciada desde que saiu o resultado das eleições passadas. O essencial neste momento é que todos aqueles que estejam envolvidos em corrupção sejam devidamente julgados, independente de partido ou sua importância política, e que não se brinque com a democracia como tem acontecido até então.



Licença Creative Commons
"Tomando o poder" de Eduardo Cambuí Junior está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.arteporparte.com/p/contato.html.

4 comentários:

  1. Muito boas, não só a obra, mas as suas considerações, Edu. Gostei muito.
    Beijo*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renata!! Tá sumida, mulher... obrigado pelas palavras!

      Excluir
  2. Graaaaaaande Edu!
    Véi, vou te dizer, a política e, principalmente, os "políticos" brasileiros são o maior motivo de vergonha para nós, brasileiros. Eu também não curto essas discussões e as evito ao máximo. Como não faço parte de nenhuma rede social, fico sem saber de certos (muitos) absurdos, mas com certeza sempre tem alguém pra comentar sobre isso.
    Fico, aqui de fora, só observando. Acho que vai chegar uma hora em que se vai chegar tão fundo no poço que o único jeito pra sair da lama será uma revolução popular - mas mesmo pra isso, será complicado, porque nos falta verdadeiros e genuínos líderes.
    Só nos resta ter esperança.

    Agora, ao que realmente interessa aqui, sua obra, ficou simplesmente ducaralhamente totalmente excelente!!! rsrs
    Mas eu vou fazer uma pequena correção quanto à perspectiva: Brasília é plana, muito plana, sempre dá pra se ver tudo o que há no horizonte, ainda mais na Esplanada dos Ministérios, que você retratou. Mas tudo bem, né? Em ARTE qualquer "licença poética" usada para um resultado muito bom não só é perdoável como louvável.
    Valeu, meu irmão, aquele abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, grande Carmelito!!!

      Rapaz, também acho que estamos super carentes de líderes verdadeiramente estadistas e com um mínimo de sensatez. Pra mudança que todo brasileiro quer, é preciso um trabalho de base que infelizmente não acontece.

      Sobre o trabalho, conheço Brasília e sei que ela é plana (ainda que faça décadas que eu não passe por lá), mas tentei fazer uma perspectiva do mesmo plano de vista dos ratos, o que faz com que haja essa impressão enganosa (além de me poupar de desenhar alguns detalhes de fundo). Mas com certeza tem muitas licenças poéticas no trabalho, sem dúvida nenhuma!! rs

      Valeu, meu velho!!!

      Excluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!