quarta-feira, 15 de julho de 2015

- Chaplin -

Lápis Dermatográfico - 20 x 30 cm - 2015
Clique na imagem para ampliá-la
Enquanto algumas das novas pinturas ainda estão em processo de finalização, resolvi alimentar o Arte por Parte com alguns desenhos de retratos que eu tenho feito ultimamente e que pretendo publicar por aqui, aos poucos. Para estes retratos, escolhi artistas famosos do cinema antigo de Hollywood, que na minha opinião tinham mais elegância e expressividade, em sua maioria. O escolhido de hoje é o grande ícone Charles Chaplin, talvez o maior mestre em falar sem dizer uma única palavra.

O processo artístico

Como já tinha comentado anteriormente no post "Homem de Lata", tenho feito alguns desenhos de retratos como uma forma de aprimoramento utilizando o lápis dermatográfico, o que faz com que o desenho ganhe mais textura e contraste, porém também aumenta consideravelmente a dificuldade, pois exige o máximo de precisão do artista. O papel utilizado (Canson "C" a grain) também faz com que esta precisão seja muito exigida, pois é um papel que tem um pouco mais de textura do que os comuns. O resultado final, quando sai de acordo com o que tínhamos em mente, é muito gratificante. Dá até um aspecto de "impressionismo" no desenho, pois observando o trabalho bem de perto, vêmos como manchas grossas formam a figura.

Quando o trabalho sai bom logo na primeira tentativa, é uma maravilha, mas isso nem sempre acontece. Tem alguns retratos que até sair do jeito que tínhamos em mente, é preciso fazer duas, três ou mais vezes (o que é bem frustrante, por sinal). A qualidade do trabalho depende muito do nível de autocrítica que o artista tem, assim como paciência e perfeccionismo... quanto mais chato é o cara com o seu próprio trabalho, a tendência é que o resultado seja melhor. Quando as pessoas vêem o resultado final bonitinho, algumas vezes quase perfeito, não imaginam tudo o que aconteceu nos bastidores até chegar naquele ponto. É claro que a prática faz com que surja mais precisão, além do indispensável senso de observação, que faz toda a diferença também.

Referência

A figura de Charlie Chaplin é tão conhecida que nem sei se é preciso tratar sobre a referência, mas como citei mais acima a questão do perfeccionismo, um bom exemplo disto é o próprio Chaplin. Ele se dedicava de corpo e alma ao seus filmes. Além de atuar, em grande parte deles ele também dirigia e compunha as trilhas sonoras.

Sobre a questão da expressividade que eu comentei brevemente no começo deste post, Chaplin foi um ator muito preocupado com isto, tanto que com a chegada do cinema falado, ele adiou ao máximo que seu famoso personagem (Carlitos) falasse. Para ele, era vital que o público de outros países entendessem o filme da mesma forma que o público norte-americano.

A Obra

O resultado deste trabalho não poderia ficar melhor... superou minhas expectativas iniciais e conseguiu ainda expressar o lado humano do vagabundo de Chaplin, que apesar de passar por diversas dificuldades, ainda consegue ser elegante, não pelas roupas que usa, mas por sua postura. Os olhos ficaram bastante expressivos também, que era uma preocupação que eu tinha desde o começo. O grande desafio deste tipo de trabalho se revela principalmente nas áreas claras, onde a leveza da mão faz toda a diferença.



Licença Creative Commons
"Chaplin" de Eduardo Cambuí Junior está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.

6 comentários:

  1. Oi Edu, por incrível que possa parecer, hoje lembrei-me de ti, e pensei: vou dar um pulo lá na casa do Edu, faz tempo que não nos visitávamos, não é?
    Tá muito bom o teu desenho, acho muito difícil desenhar pessoas, captar sua expressão. Vez em quando faço esse exercício, mas confesso que tenho muita dificuldade. Queres dar-me umas aulinhas?(risos) Pela forma que explicas teus trabalhos, tenho a impressão que és um ótimo professor, hein? Não conheço o lápis dermatográfico, vou procurar, obrigada pela "dica"

    Um beijão, e obrigada pela visita, viu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ci! Já tem uns bons anos aí que somos "clientes" um do outro! Obrigado pelas palavras e realmente, desenhar pessoas não é algo muito simples, mas depende muito de observação e prática. Sobre as aulas, estamos aí... qualquer coisa, só me procurar. No post tem um link sobre "lápis dermatográfico" que fala de suas características e etc.

      Bjão!

      Excluir
  2. parabéns, meu amigo...
    verdadeira obra de arte e técnica muito apurada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu caro! Valeu pela visita e pelas palavras!

      Excluir
  3. Amigo querido, você é demais! Além de ser um artista muito talentoso, ainda nos ensina suas habilidades técnicas. E mais, ainda acompanhado de Chaplin, o eterno Carlitos. Lindo! Adorei! Beijos, Edu!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanuza! Obrigado, querida! Chaplin dispensa comentários... logo logo outras grandes estrelas vão figurar por aqui! Valeu!

      Excluir

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!