terça-feira, 7 de dezembro de 2021

- Narciso Moderno -

Acrílico sobre tela - 70 x 70 cm - 2021

Para ampliar, clique na imagem

Como tinha comentado na publicação anterior, participei do 2º Simpósio Internacional Virtual de Escultura e Pintura “LiberARTE” de Buenos Aires e a participação no evento consistia em documentar em vídeo a produção de uma pintura ou escultura e mostrasse o resultado final até o fim do evento. E hoje, apresento o resultado que é a obra “Narciso moderno”, uma releitura da famosa obra “Narciso” de Caravaggio, que trata do mito de um rapaz muito belo que foi amaldiçoado pela deusa Nêmesis a se apaixonar por si próprio e, ao encontrar seu reflexo no lago, ficou tão fascinado que permaneceu admirando seu reflexo até definhar. Na minha versão, o personagem também se admira, fascinado por si próprio, mas a imagem atua como uma crítica a problemas modernos envolvendo a tecnologia, hiperexposição, vaidade e como os algoritmos das redes sociais usam isto para prenderem a atenção de tantos ‘Narcisos’ e assim, aumentar seu valor de mercado.

O processo artístico

A ideia desta arte surgiu em 2015, quando fiz um esboço em lápis dermatográfico. O resultado agradou bastante e me parecia óbvio que esta arte deveria ser produzida numa tela, onde há mais recursos para transmitir o que se buscava expressar. A mensagem aqui é, através da reinterpretação de uma obra famosa, refletir sobre o fenômeno das selfies, das motivações, do exibicionismo digital, da utilização desmedida das redes sociais e como estas mesmas redes utilizam isto para prender a atenção do usuário e lucrar em cima de suas atividades. No ano passado o documentário “O Dilema das Redes” se tornou um assunto bastante recorrente… o filme abordou de forma bastante impactante o quanto as redes sociais influenciam o comportamento das pessoas, direcionam suas atitudes e até, elegem governantes, através de depoimentos de pessoas que foram peças chave na criação e funcionamento de diferentes mídias sociais. 


Já fiz muitas artes tratando sobre este tema das selfies, das novas tecnologias e se em 2015 já fazia muito sentido, agora o assunto é mais atual do que nunca, principalmente depois dos escândalos da Cambridge Analytica e principalmente do “Facebook papers”, no qual a ex funcionária da empresa Frances Haugen, ex-gerente de produtos da rede social, vazou documentos sigilosos para o jornal Wall Street Journal onde detalhava que o Facebook tinha conhecimento que seus sites eram potencialmente prejudiciais para a saúde mental dos seus usuários. Foi descoberto por estes documentos que o Facebook (que em seguida mudou o nome da empresa para Meta) tinha conhecimento que seus algoritmos incitavam o ódio (que gera mais engajamento nas redes), era negligente diante de atos criminosos, era moderada com relação a atividades extremistas, o ambiente do Instagram era considerada tóxica para muitos jovens, entre tantas outras revelações em pesquisas apontadas pela equipe da própria empresa, mas que foi desconsiderada por sua direção para não afetar nos negócios, basicamente. No Brasil, conforme reportagem de Tatiana Dias, do Intercept Brasil, há parlamentares que atuam alinhadas com os interesses das big techs, nome dado às gigantes empresas de tecnologia que dominam o mercado e que possuem as maiores redes sociais.


Detalhe da obra
"Narciso moderno"
A princípio, como sugere o esboço, a ideia era deixar o ambiente de um quarto escuro mais definido, com a cama visível ao fundo. Mas analisando melhor a obra de Caravaggio, o fundo escuro dá destaque unicamente ao personagem e sua ação. Como eu tinha a limitação de 8 dias para a produção do trabalho, achei que seria arriscado inserir mais elementos que não eram essenciais para o entendimento da mensagem e o foco unicamente no personagem também reforça a mensagem de que, para o personagem, tudo o que importa é ele próprio. 


Referências

"Narciso" de Caravaggio
Logicamente, a referência maior é a obra de Caravaggio, que através de suas pinturas e do contexto histórico da época (a Contrarreforma da igreja católica), produzia imagens impactantes que buscavam mobilizar visualmente uma população, em sua maioria iletrada, para os ensinamentos da igreja, atuando assim de forma didática. No barroco, período artístico ao qual se encontra Caravaggio, com certeza ele foi um dos maiores expoentes, mas nesta obra a ideia foi utilizar o ensinamento do próprio barroco, abusando do contraste entre claro e escuro, dar ênfase ao personagem central da trama em seu momento mais dramático e, de certa forma como o próprio Caravaggio fazia, usar contextos modernos para tratar de temas antigos. Em sua obra “Narciso”, ele utilizou como modelo um belo rapaz da Roma de sua época para fazer o papel do personagem da mitologia. Aqui, para enfatizar a mensagem tecnológica, utilizo o tablet para que o personagem se veja ao invés do lago. Sobre as vestimentas, tentei manter um padrão próximo ao personagem, sobretudo na camisa. Só busquei inserir uma calça tipo jeans para modernizar mais a figura central.


A Obra

Detalhe do personagem Narciso
O processo de produzir uma obra de arte num prazo determinado como foi esta, em virtude do 2º Simpósio Internacional Virtual na Argentina, foi desafiador, muito mais pela condição de ter que gravar em vídeo cada dia do processo, algo que não me agrada tanto. Foi, no entanto, uma boa oportunidade para pôr em prática a ideia de fazer esta obra em tela, que era algo que eu já vinha planejando há algum tempo. A pintura desta tela se tornou mais urgente ainda quando uma editora de livros didáticos entrou em contato comigo pedindo o licenciamento do desenho que tinha feito em 2015 para integrar o livro “Educamos Pré-Vestibular: Linguagens e Ciências Humanas – Arte – Livro 1”. O esboço estava bem feito, mas no meu entendimento, ainda não era o trabalho ideal para o que eu tinha em mente. 


A diferença na expressão do personagem em relação ao de Caravaggio foi para buscar transmitir a satisfação do personagem em realizar a selfie ou simplesmente se ver na tela do dispositivo. Na obra original, o personagem se mostra mais como seduzido por sua própria beleza. O processo de pintura em si foi bastante trabalhoso, porque em algumas partes, foram camadas sobre camadas de cores, mas o resultado final foi bem satisfatório e acredito que a mensagem da pintura ficou relativamente clara para quem observar com atenção.


Imagens: Google


------------------------------------------  /  /  ------------------------------------------


Referências bibliográficas:

______. FACEBOOK PAPERS: QUAIS SÃO AS ACUSAÇÕES CONTRA A GIGANTE DA TECNOLOGIA. G1 Globo. Rio de Janeiro, 02 novembro 2021. Disponível em: <https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2021/11/02/facebook-papers-meta-nome-acusacoes-vazamento.ghtml>. Acesso em: 6 dez. 2021.


DIAS, Tatiana. “A BANCADA DO LIKE: GOOGLE E IFOOD SE INSPIRAM EM RURALISTAS E MONTAM TROPA DE CHOQUE NO CONGRESSO”. The Intercept Brasil. Rio de Janeiro, 25 novembro 2021. Disponível em: <https://theintercept.com/2021/11/25/google-e-ifood-montam-bancada-do-lie/>. Acesso em: 6 dez. 2021.



Licença Creative Commons
"Narciso Moderno" de Eduardo Cambuí Junior está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://www.arteporparte.com/p/contato.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será sempre bem-vindo. Assim que for possível, eu retorno!